SPORTING 'VISITA' HOTEL DO RIO AVE






SPORTING 'VISITA' HOTEL DO RIO AVE. Mário Monteiro, preparador físico do Sporting, visitou ontem à noite o Hotel onde está instalado, em Lisboa, o Rio Ave.CM-TV há minutos.
Publicado por Master Groove em Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2016

António Oliveira: «Benfica tem uma dimensão mundial muito grande»



"O Benfica é um clube com uma dimensão mundial muito grande (...) As pessoas ofendem-se quando, pondo de parte o meu portismo, digo isto: O Benfica tem mais dimensão mundial do que o SCP e o FCP juntos".

António Oliveira, Zona Mista da RTPN.

«Nenhum árbitro se vende por um jantar. O resto é ridículo» Marinho Neves



Tanto palavriado por causa de uma camisola e uns jantares. Em 2002 quando o Sporting foi campeão, soube que o árbitro da partida para o jogo decisivo com o Boavista tinha ido jantar com o Valentim Loureiro. Antes do jogo, Manolo Vidal fez saber ao árbitro que sabia do jantar e aquilo que ia ser um roubo transformou-se num jogo normal. Mas, pelo sim e pelo não, como sabia que o árbitro em causa tinha um problema de cleptomania, os dirigentes do Sporting deixaram no balneário boas toalhas e roupões e foi tudo foi parar ao saco do árbitro. Como correu bem ninguém se queixou.


!ª fase: Os árbitros cediam à força do dinheiro
2ª fase: Sexo e dinheiro na base dos favores
3º fase: Cedem a "lobbies" que gerem promoções
4ª fase: Para quê comprar um árbitro se podemos controlar os seus "patrões".

Nota: Nenhum árbitro se vende por um jantar, ou por uma camisola. Os jantares estão pagos pela FPF e as camisolas, não fazem parte dos brindes coleccionáveis de um árbitro. O resto é ridículo.

Marinho Neves

Pinto da Costa desmascarado na CMTV



Recorde-se que Pinto da Costa aproveitou a vitória dos 'dragões' sobre Chelsea na Liga dos Campeões por 2-1 para voltar a atacar a Federação Portuguesa de Futebol.
"O apoio foi constante, casa esgotada, só havia três ou quatro lugares vagos que eram destinados à Federação, que mais uma vez faltou. Eram os lugares do presidente e dos directores", afirmou Pinto da Costa na zona mista.

"Só na cabeça do sr. Pinto da Costa é que podia dizer uma coisa daquelas", disse Octávio Lopes ontem na CMTV.


veja o video.


Casagrande no programa de Jô Soares



«Quando cheguei à Europa, no dia em que me estreei pelo FC Porto, um jogador chegou ao pé de mim e avisou-me que ia jogar. Fiquei contente. Mas depois ele disse-me: ‘tens de passar ali atrás, que tem ali um negócio para usar’. Fui lá e usei. Usei umas quatro vezes.
É aquilo que mais me envergonha, que menos gosto de lembrar. Era algo injetável no músculo. Dava uma disposição acima do normal.»

veja Casagrande: Relato impressionante!


actualização, SET-2015

DOPING NO PORTO?
É uma vergonha o que Casagrande fez para denegrir a imagem da excelente estrutura do Futebol Clube do Porto. À procura de estrelato - deve estar na penúria, a precisar de umas entrevistas - vem para o Jô Soares dizer ao mundo que o fabuloso, espectacular, admirável Futebol Clube do Porto Campeão Europeu afinal não passava de um grupo de jogadores drogados que, na neve, no deserto, em plena Patagónia, corriam, saltavam, cabeceavam, rematavam, aguentavam mais do que os outros.

Isto é inadmissível e parece-me de todas as formas justo que Casagrande seja alvo de um processo por parte de Pinto da Costa.

Só acreditaria nesta história se tivesse vivido nos anos 80. E, mesmo assim, teria de ter visto os jogadores do Porto com um ar completamente louco, a espumar da boca - sei lá, a equipa toda atrás de um árbitro ou assim. Ou 4 ou 5 da equipa principal quase carecas aos 20 e poucos anos. Mesmo que isso tudo acontecesse - e que surreal seria! - só acreditaria nesta história do Casagrande se ela aparecesse em escutas. Mas se aparecesse em escutas tinha de esperar que um tribunal as validasse, porque toda a gente sabe que mais importante do que ouvirmos ou vermos as coisas é o que está escrito nos grandes livros da Justiça. Portanto, isto não passa de uma farsa. Na verdade, eu só acreditaria nesta história mirabolante se fosse o próprio Casagrande a afirmá-lo. E se o afirmasse, teria de saber se aquilo não foi montagem. Como é evidente, a suposta confissão de Casagrande não passa de mais uma cabala, perpetrada por uns hackers benfiquistas que só sabem denegrir as grandes vitórias europeias do Porto.

Quantas vezes não ouvimos: «sim, somos corruptos, e na Europa, também fomos?». Têm toda a razão os portistas: na Europa só se dopavam.

Ricardo Silveirinha

FC Porto alvo de buscas

Buscas no Estádio do Dragão em investigação a empresas de segurança.

O FC Porto foi esta quinta-feira alvo de buscas por parte da PSP. Em causa, estão suspeitas de ilícitos criminais que envolvem Antero Henrique, o vice-presidente da SAD dos "dragões", e a empresa responsável pela segurança no Estádio do Dragão.

«Eu se fosse sportinguista tinha vergonha»


Sporting invoca justa causa para despedir Marco Silva


"Isto é uma vergonha absoluta. Eu se fosse sportinguista tinha vergonha.
Depois de rasgarem o contrato com a Doyen fazem isto a alguém que lhes acabou de dar uma Taça de Portugal.
Já agora, ainda há dias não tinham dinheiro para o pavilhão e agora estão cheio de dinheiro para JJ, dinheiro esse vindo de quem deu um enorme rombo ao BES Angola e da Guiné-Conacri, um dos países mais corruptos do mundo e cujos dinheiros aparecem ligados a actividades muito pouco recomendáveis.
Enfim..."

Bruno Carvalho

Como é que o Benfica se dá ao luxo de prescindir de alguém assim?!



O ego e O erro

Ponto prévio:

Da mesma maneira que um pessoa burra não passa a inteligente só porque está vestida com uma camisola do Benfica, quem é bom enquanto está no Benfica não deixa de o ser só porque saiu do Benfica. Vá ele para onde for.

O que eu mais temia, tal como exprimi no outro post, aconteceu: Jorge Jesus não vai ser o nosso treinador para a próxima época. Espero estar redondamente enganado, mas temo que tenhamos cometido um erro histórico. Antes de qualquer outra coisa, na hora da saída, é mais do que justo deixar-lhe aqui o meu mais profundo agradecimento por todas as conquistas destes seis anos e pelo futebol magnífico que fomos apresentando.

Eu estou particularmente à vontade para dizer isto, porque no início tive sérias dúvidas acerca da sua competência e mesmo durante o seu percurso houve uma série de coisas que não me agradaram nada (uma, duas, três, quatro, cinco e, principalmente, seis). MAS, e este MAS é essencial, o homem ganhou títulos! E, se não se quiser valorizar o facto de ele ter aprendido imenso nestes seis anos e se ver a evolução da equipa (o que me fez defender a sua continuidade em 2013 mesmo depois do que aconteceu no Jamor), isto é que deveria contar para se tomar a decisão de renovar com ele. Porque isto é que é essencial: enriquecer o palmarés. Seja com que jogadores for, é isto que nos interessa. Tenha o treinador o feitio que tiver, seja bem ou mal educado, isso não fica para a história. O que fica são as conquistas. E essas existiram em barda, especialmente nas últimas duas épocas.

O presidente diz que tem uma “ideia clara” para o Benfica: “um treinador sem medo de apostar nos nossos miúdos, que seja capaz de fazer projecto integrado dos escalões de formação até ao futebol profissional”. Eu acho isto óptimo em tese, mas já agora convinha que garantisse títulos. Porque eu escolho na hora um título com 11 estrangeiros na equipa em vez de vitórias morais com 11 portugueses. Aliás, esta história da “formação” tem muito que se lhe diga: os próprios lagartos, nos últimos 33 anos, só ganharam o campeonato quando não “apostaram na formação”. Portanto, só foram campeões duas vezes. Obviamente. Como justificação para não manter o Jesus, é muito fraca.

Por outro lado, acusa-se o Jesus de não partilhar os títulos com a “estrutura”. Em primeiro lugar, queria pedir encarecidamente o favor de não utilizarem esta palavra, porque eu começo logo a hiperventilar. Durante anos, ouvimos dizer que o CRAC ganhava campeonatos por causa da “estrutura” e todos nós sabemos o que isso significava. Aí sim, é que a “estrutura” ganhava jogos e campeonatos, com ajudas alimentares que só os acéfalos ignoram. Portanto, por favor, utilizem lá outra palavra que essa tem a conotação que tem. Além de que não me parece que tenha sido a “estrutura” a inventar um Fábio Coentrão a defesa-esquerdo, um Enzo Pérez e um Pizzi a médio-centro, um Jardel a central de eleição, etc. (a lista é muito grande e todos nós a conhecemos). Voltando ao tema, as taças não estão no museu? Não são propriedade do Benfica? Não se fica com um treinador porque ele não fala de nós? De novo, uma justificação muito pobrezinha para uma não-renovação.

O que me parece de todo inexplicável é esta evidência: como é que não se renova com um homem que ganhou três campeonatos em seis anos, foi bicampeão (coisa que não nos acontecia há 31 anos), ganhou seis dos últimos sete troféus nacionais e nos levou duas finais europeias seguidas (não íamos a nenhuma há 24 anos e a duas consecutivas há 53 anos!)?! É preciso estar mesmo a olhar para o acessório para não ver o cerne da questão. Alguém de bom senso acredita que o Jesus não é o melhor treinador português a seguir ao Mourinho? Não é suposto termos os melhores no nosso clube? Como é que o Benfica se dá ao luxo de prescindir de alguém assim?!

A partir do momento em que o Benfica não manifesta um desejo expresso de renovar com ele, é natural que o Jesus se tenha virado para outras paragens. Por isso, não tomo esta ida para a lagartada como uma “traição”. Não, não é, porque o desinteresse inicial partiu (inacreditavelmente) de nós.

E o que me custa mais neste processo todo é que deixámos sair o treinador que mais bem colocado estava para nos dar o 35. Sim, porque o 34 é todo mérito dele (o que fez nesta época a famosa “estrutura” foi retirar-lhe seis titulares, mais o André Gomes e o Cardozo, e compensá-lo com dois craques trintões e um Talisca que só durou meio ano…). E o 35 para a próxima época é fundamental, porque um tricampeonato nosso significaria a implosão de Mordor. A “estrutura” deles não aguentaria um terceiro ano de seca connosco a sermos campeões. E é uma pena que não se tenha dado o devido valor a isto e lhes acabemos por oferecer um balão de oxigénio, que já nem eles esperavam ter. Repito: é isto que me custa mais nesta história toda.

Pouco me interessa neste momento se o Jesus vai resultar ou não na lagartada. Enquanto lá estiver um presidente que faz mosh à equipa de hóquei em patins, estamos relativamente seguros. Com a sede de protagonismo que ambos têm, vai ser inevitável o choque de personalidades. No entanto, já estou mais preocupado com a performance do CRAC. E na tal estocada final que lhes poderíamos dar na próxima temporada.

Independentemente das razões aduzidas pelo próprio, o que mais transparece nesta decisão é o Luís Filipe Vieira a querer provar que consegue ganhar sem o Jorge Jesus. Porque o futebol é mesmo a única modalidade campeã do Benfica em que o treinador não vai continuar. E uma coisa destas é muito difícil de explicar e mais ainda de entender. No fundo, tudo se resume a uma questão de ego. Qualquer argumento utilizado esbarra logo na evidência de que o homem foi (bi)campeão. E quem é campeão tem sempre razão. Mesmo que utilize o Ola John em vez do Gonçalo Guedes.

Para bem de todos nós, nada me daria mais prazer do que vir aqui no final da próxima época fazer o meu mea culpa e elogiar esta decisão temerária do nosso presidente. Seria muito bom sinal.


P.S. – Muito, MUITO feia a rábula de fazer desaparecer o Jesus da estrutura em 3D dos bicampeões na loja do Benfica (ganhámos este campeonato sem treinador, é…?). Reescrever a história é estalinista e só deveria ser apanágio de outro clube mais a norte. Lamentável! (Parece que voltámos ao tempo dos apagões e das regas…) Também vir a público fazer-se declarações sobre a idoneidade do Jorge Jesus é algo que os responsáveis do Benfica se deveriam abster de fazer. Ou não tivessem trabalhado com ele durante seis anos. Já o conheciam, não? Independentemente do que aconteça no futuro, Jorge Jesus já está na história do Benfica como o mais titulado treinador português que passou pelo clube e, por conseguinte, um dos melhores de sempre. Saibamos respeitar isso. (Mesmo que ele no futuro hipoteticamente não o faça.)

P.P.S. – Também eu tenho reservas MUITO sérias em relação ao Rui Vitória (nunca achei que o futebol do V. Guimarães fosse assim grande coisa). Por mim, por todas as razões (experiência de clube grande e de Champions, vencedor de títulos mesmo com um presidente desestabilizador e resposta proporcional aos lagartos) mas PRINCIPALMENTE porque é melhor treinador, iria buscar o Marco Silva. De caras.
por S.L.B - Tertúlia Benfiquista

«Jesus foi empurrado para fora do Benfica» Ricardo Araújo Pereira



Ricardo Araújo Pereira tentou disfarçar a “irritação”, mas não conseguiu. O humorista reagiu em exclusivo na TVI24 à saída de Jorge Jesus do Benfica e considerou que este poderá ser um “erro histórico” do clube.

“Receio que não renovar com Jorge Jesus seja um erro histórico. Por muito que agora se venha dizer o contrário, o Benfica não estava verdadeiramente interessado em renovar com Jesus.”

Ricardo Araújo Pereira comparou esta com a saída de João Vieira Pinto do Benfica, tendo depois assinado pelo Sporting.

“Na altura também chamamos traidor ao JVP e hoje sabemos foi empurrado para fora do Benfica. Passa-se exactamente o mesmo com Jorge Jesus.”

Sobre a aposta do Benfica na formação, o humorista sublinhou que “não se ganha campeonatos com uma equipa de jovens”.

“O Sporting formou dois bolas de ouro, mas em 33 anos ganhou tantos campeonatos como o Benfica em dois.”


Ricardo Araújo Pereira acrescentou que o presidente benfiquista “está interessado em mostrar que a estrutura ganha campeonatos sozinha e que é indiferente o treinador”. “Mas receio que não seja verdade”, disse.

Sobre a dependência do Benfica de Jesus, o humorista confessou que “estava a gostar do sequestro” e concluiu:

“Se o Benfica tivesse demonstrado interesse em renovar, Jorge Jesus estaria no Benfica.”