Avançar para o conteúdo principal

BENFICA - O Espelho da Grandeza - A-PVasconcelos (exclusivo MG)


Na véspera do clássico, alguns benfiquistas meus amigos, que encontro na rua, me mandam emails ou escrevem nos blogues, andam outra vez muito nervosos. Paira, nalguns espíritos mais débeis, a sombra do ano passado (o mau arranque do campeonato, pelo efeito combinado de um guarda-redes inseguro – Roberto - e de duas arbitragens, pelo contrário, muito seguras do que estavam a fazer - Cosme Machado e Olegário Benquerença); e paira, sobretudo, a memória dos últimos jogos, em que, depois de uma recuperação fantástica, sobretudo desde a entrada de Sálvio, a equipa jogou um futebol empolgante, mas baqueou em Braga, num jogo que foi uma nova batalha campal, com a conivência de outra arbitragem muito segura, de Carlos Xistra; e, depois, acabou por se ir abaixo por duas vezes, na Luz, perante um Porto motivado e uma torcida entregue ao desalento e novamente em Braga, com a equipa animicamente destroçada.

Em vez de se lembrarem do brilhante jogo de há duas épocas, em que, sem Aimar nem Di Maria, e com um Urreta endiabrado que fez o jogo da sua vida, Jesus não abdicou do seu modelo de jogo e ganhámos com um golo de Saviola (que provocou a famosa azia em Hulk, Sapunaru, Fucille, Rodriguez e Helton, protagonistas de lamentáveis cenas nos túneis que, num país a sério, os teriam impedido de continuar a jogar nessa época), alguns benfiquistas optaram por interpretações irracionais do momento da equipa. Não é por acaso que somos o mais português dos clubes portugueses: temos as qualidades e defeitos indígenas - somos pessimistas, maldizentes e perdemos facilmente a confiança nas nossas capacidades.

Vejamos friamente a situação: o Benfica fez um jogo heróico em S. Petersburgo e só perdeu por uma infelicidade do Maxi (um jogador impulsivo que tem os defeitos das suas qualidades), além de ter perdido muito cedo um jogador essencial como é hoje o Rodrigo, ceifado pelo ex-portista Bruno Alves, especialista em golpes de karaté. Em Guimarães, num campo dificílimo, apesar de ter dominado o jogo, o Benfica nada pôde fazer contra uma muralha de aço que soube aproveitar uma vantagem conseguida cedo, num lance de bola parada. E, em Coimbra, ainda sem Javi e sem Luisão nem Rodrigo, voltámos a dominar o jogo e a criar oportunidades sem conta que, ou foram desperdiçadas pela infelicidade dos jogadores, pela sorte e inspiração da defesa dos “estudantes” ou pela cirúrgica miopia de Hugo Miguel.

Que isto tenha acontecido em três jogos seguidos (duas derrotas e um empate em três jogos, perda dos 5 pontos de vantagem sobre o rival, dois jogos seguidos sem marcar, coisa de que já não havia memória), não é, reconheçamos, muito animador em vésperas do jogo que vai ser decisivo na caminhada para o título. Mas acontece a todos os clubes, sobretudo aos melhores clubes (vejam o Barcelona), com equipas habituadas a ganhar e que habituaram os adeptos a vê-los mandar nos jogos e comandar campeonatos.

É certo que a escolha de Pedro Proença não pode deixar de nos inquietar. O Benfica, sobretudo desde que o “Apito Dourado”, contra todas as evidências, deixou impunes árbitros e dirigentes, vive mal com as arbitragens: os árbitros cuja cor clubista não engana, não têm pudor de nos prejudicar, muitas vezes de forma enviesada, em jogos anteriores com os futuros adversários do nosso principal adversário; enquanto os que são conotados com as cores do SLB, como é o caso de Pedro Proença, apitam sistematicamente contra nós, para provar que são isentos. E a verdade é que os seus desempenhos, apesar do apregoado empenho de Vitor Pereira (refiro-me ao Presidente da Comissão de Arbitragem, está bom de ver) nunca são verdadeiramente escrutinados nem punidos.

Mas eu, que sou pouco português nesta irracionalidade e que não me vou abaixo facilmente, prefiro encarar o jogo de amanhã com confiança e optimismo; a confiança e optimismo que eu espero ver nos jogadores do primeiro ao último minuto. Não o digo, nem o peço, por paixão clubista, mas por duas evidências: o futebol do Benfica é, de longe, o melhor e o mais consistente do campeonato. Nem Porto nem Sporting, com treinadores improvisados (no caso dos leões, a meio da época, depois de ter dispensado um treinador sem gabarito para as ambições do clube), jogam um futebol comparável com o nosso, nem em valores individuais nem colectivamente. Nem de perto nem de longe. E Jesus é o melhor treinador do Benfica da era moderna, isto é, desde que, graças ao vídeo, o treino passou a ser o que é o ensaio para o teatro ou as repetições numa orquestra sinfónica.

Jogo é jogo, futebol é futebol e nem sempre os melhores ganham; por azar, batota, infelicidade num lance ou numa lesão, quebra momentânea de concentração ou de forma física, má gestão do sucesso. Mas os benfiquistas têm que perceber que, ao cabo de anos de turbulência, hoje, contra ventos e marés e com alguns dossiers por resolver (como vai comportar-se a direcção da Federação e os departamentos de arbitragem e de disciplina? O que vão dar as difíceis negociações dos direitos desportivos?), o Benfica está finalmente no bom caminho. Assim os benfiquistas não entrem em depressão ao primeiro desaire, tornando-se treinadores de bancada improvisados sem dar o benefício da dúvida a quem tem a árdua tarefa de decidir, que dão bitates avulsos e contraditórios depois dos jogos acabados (devia ter entrado A ou tirado B), o que mina a corrente de confiança que deve ser indefectível entre os adeptos e a equipa e mói a tranquilidade que deve rodear treinador e jogadores.

Amanhã, vamos provar que somos melhores, que somos OS melhores! Nestes tempos de depressão colectiva, em que o povo está a ser submetido ao mais brutal dos ataques à sua soberania, aos seus direitos e à sua confiança, o Benfica tem que provar que continua a ser O grande clube popular, democrático e universal, que sabe o que é a grandeza, e que, até por isso, é uma força aglutinadora de vontades e que deve ser um exemplo de resistência contra o derrotismo e a adversidade.

António-Pedro Vasconcelos, in MasterGroove

Partilhe este artigo

Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post
Comentários
6 Comentários

Comentários Blogger

  1. O meu aplauso de pé para o Senhor A-PV.
    Vamos a eles!

    ResponderEliminar
  2. Não me podia identificar mais com este texto, parecia que me lia a mente!

    Sempre gostei de ver o A-PV na TV nos debates, acho que era bastante sereno e respondia bem. Pena estar sempre a lutar contra 2, mas sempre com uma pose impecável.

    O essencial foi escrito. É preciso união!
    Ser o 12º jogador e não o 15º adversário!

    Saudações Benfiquistas

    ResponderEliminar
  3. Grande furo. Grande crónica. Grande CINEASTA. Grande Master.

    ResponderEliminar
  4. Car Master já tinha lido este teu post no geração e repito, concordo com o antónio pedro.

    ResponderEliminar
  5. Há sempre alguém que resiste...

    Bravo Master, o A-PV disse tudo!

    ResponderEliminar
  6. Caro Master
    Grande post do APV. É assim mesmo que temos de ser, aglutinadores e presentes nos bons e, principalmente, nos maus momentos.
    Viva o Benfica!
    maria

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares

Pinto da Costa ARRASADO na RTP

Júlio Machado Vaz e Rui Oliveira e Costa respondem à CALÚNIA (aqui) de Pinto da Costa: "O Benfica era o clube do fascismo".

Veja, no final do video, a brutal resposta ao pirralho do Guedes: "Tens sorte porque ganhaste em liberdade, mas se tivesses perdido também tinhas sorte, sabes?!"

Para que conste: o SLBenfica teve na sua direcção homens como Cosme Damião, Félix Bermudes, Manuel da Conceição Afonso, João Tamagnini Barbosa e Borges Coutinho, notórios democratas, homens de esquerda, sindicalistas e activistas. Em 33 presidentes da Direcção, o Benfica só teve 1 elemento ligado ao Estado Novo: Mário Madeira, mas e só depois de este ter deixado o cargo de governador civil de Setúbal.

No FCPorto é uma chusma deles ligados ao Fascismo! Presidentes da Direcção do FCP e em promiscuidade com cargos como deputados da União Nacional: Urgel Horta, Cesário Bonito, Ângelo Veloso; e ministro de Instrução: Augusto Pires de Lima. Para lá de outros pertencentes ao Fascismo Regiona…

António Oliveira faz denúncias GRAVÍSSIMAS

"Mário Figueiredo foi o único que tentou quebrar o totalitarismo do poder" - referiuAntónio Oliveira este domingo no Trio de Ataque.

Afirmou que Luís Duque está a prazo como presidente da Liga... "ele foi juntar-se à "pandilha" que continua a governar totalitáriamente e a mandar no futebol português, não deixando que o futebol passe desta pasmaceira, desta agonia".. disse.

Oliveira acusa a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e várias empresas de, deliberadamente, terem boicotado os patrocínios à Liga de Mário Figueiredo.

O túnel da Madalena - O túnel da corrupção!

O túnel da “Madalena”, cujo início da construção data de meados da década de 80 do século passado, é uma cópia fiel, mas muito mais refinada, de um, bem mais antigo, o das Antas - esse túnel tenebroso onde se simulava a sodomização dos árbitros e que foi um altar de mêdo, boçalidade, coacção e violência.

Um túnel apetrechado com um sistema de fios condutores “com tecnologia de ponta”, onde todas as chamadas telefónicas partiam ou chegavam à cabine controleira de Giorgio.

Augusto Duarte e António Araújo, suspeitos aventureiros da noite, atravessaram-no, seguindo sempre, sempre em frente, e numa escuridão total, sem um único clarão, trouxeram do seu interior o envelope mágico, uma simples folha de papel que à luz do dia se transformou em cinco notas de quinhentos euros.

Jacinto Paixão, José Chilrito e Manuel Quadrado provaram no lusco-fusco desse túnel, os sabores de sexo oferecido, numa volúpia louca e corrupta de triste desfecho.

Martins dos Santos, ao palmilhá-lo com subserviência dur…

Calúnia é crime! Isto não pode passar em claro

Pinto da Costa na Afurada  11 Maio 2012"O Benfica era o clube do fascismo!"




A propaganda nazi sabia que “uma mentira repetida mil vezes se tornava verdade”. Era o que dizia o senhor Goebbels, o sinistro ministro da propaganda de Hitler. Pinto da Costa, há anos que lê da mesma cartilha e usa os mesmos métodos. Por exemplo, à força de repetir que o “seu” clube foi fundado em 1893, quando na verdade foi fundado apenas em 1906. (comprovar aqui - e no video)
O Sr. Pinto da Costa montou uma ficção e vive nela. Ao contrário dos rivais de Lisboa, que escolheram animais existentes para símbolo dos seus clubes (a águia e o leão), o Sr. Pinto da Costa inventou um animal mitológico e faz crer aos portistas que ele existe: um dragão! Ora os dragões têm referido repetidamente que o Benfica ganhava sempre no passado porque era “o clube do Regime”, e agora o seu Chefe chegou ao desplante de dizer que era “o clube do Fascismo”! A calúnia é crime, meus senhores, e o Benfica devia pôr um proc…

Amigos, é ainda PIOR !!

Afinal não era a troika, é o bando dos quatro: o cancro, o ministro, o corrupto e o pusilânime!

Agora sim, o quarteto está completo e não falta ninguém.. sim, nem a Judite de Sousa - aquela dos deveres conjugais, que privou o Seara (coitado) de assistir à final da Taça da Liga!. Mas que raio de benfiquista é este?!?
Adenda 1: Só falta mesmo o Pedro Proença! Adenda 2: Confirmação da noticia.

António-Pedro Vasconcelos: Rival ou inimigo?

Perante o silêncio cúmplice com que a Direcção do SCP e a maioria dos comentadores afectos ao clube de Alvalade acompanharam, nestes últimos anos, os castigos do processo do Apito Final e as absolvições do Apito Dourado, muitas vezes me tenho perguntado: será que já não há sportinguistas decentes, que não confundem o RIVAL com o INIMIGO?





Nestes últimos anos, depois de Dias da Cunha ter denunciado o SISTEMA e ter chamado os bois pelos nomes, a cumplicidade com o FCP por parte das direcções que se lhe seguiram (Filipe Soares Franco e, agora, Bettencourt) foi demasiado evidente: o inimigo era o Benfica e tudo o que servisse para atacar o Glorioso era bem-vindo, nem que para isso tivessem que pactuar com a batota e associar-se ao clube cujo presidente se gaba de ter deixado Bettencourt de mão estendida e lhes levou o Ruben Micael, o Moutinho e mesmo o treinador que eles julgavam que iam exibir este ano como um D. Sebastião: o Villas-Boas. E tudo o Porto levou!

A cumplicidade era tão gran…

Obra-prima de Talisca

Benfica 1-0 Rio Ave

Casagrande no programa de Jô Soares

"Quando cheguei à Europa, no dia em que me estreei pelo FC Porto, um jogador chegou ao pé de mim e avisou-me que ia jogar. Fiquei contente. Mas depois ele disse-me: ‘tens de passar ali atrás, que tem ali um negócio para usar’. Fui lá e usei. Usei umas quatro vezes. Era algo injetável no músculo. Dava uma disposição acima do normal".

Jô Soares: E controle anti-doping?
Casagrande: Não tinha!

Facebook

Etiquetas

Mostrar mais