«Nem que tivesse cuspido ácido sulfúrico» Pedro Guerreiro - Master Groove
Avançar para o conteúdo principal

«Nem que tivesse cuspido ácido sulfúrico» Pedro Guerreiro


Pedro Santos Guerreiro analisa a agressão em Guimarães de um agente policial sobre um pai à frente dos seus filhos. "É um acto de violência gratuito sobre uma criança" Agressão em Guimarães justifica-se? «Nem que tivesse cuspido ácido sulfúrico»


O filho do pai e o filho da mãe

"Uma besta quadrada com poder de lei para usar a força é um perigo no meio da rua onde passamos".

Artigo de opinião de Pedro Santos Guerreiro (expresso)

Estávamos em Guimarães, era dia de Benfica campeão e um polícia enfia um enxerto de pancada num homem à frente do filho, que fica a gritar apavorado, nem dez anos terá, o pai no chão a ser algemado pelo mesmo agente que, pelo caminho, ainda deu um banano num homem mais velho ante um outro filho, este adolescente, tinham ido todos juntos à bola, levaram com um agente desembestado, munido de bastão e escolta, e agora a PSP vai analisar. Não precisa de analisar, precisa de agir.

O que deveria ter sido uma noite para lembrar foi uma noite para esquecer. Adeptos do Benfica vandalizaram e agrediram em Guimarães. Claques ou gangues ou bêbados ou lá o que foi destruíram garrafas, destruíram o Marquês e destruíram a festa do Benfica, precipitando uma carga policial que levou a eito no centro de Lisboa. Mas o caso do pai açoitado em Guimarães merece análise própria, não por ser mais relevante mas por ser desumano, não por ser uma agressão de massas que gera uma reacção grupal mas por ser uma (supõe-se) provocação individual que recebe um, chamemos-lhe assim, excesso de força. Chamemos-lhe assim para não lhe chamar outra coisa: que uma besta quadrada com poder de lei para usar a força é um perigo no meio da rua onde passamos.

Vamos supor que a besta quadrada até foi o agredido. O que vemos são só trinta segundos de imagens, não sabemos se aconteceu algo antes nem o que é dito durante. Sabemos que é inverosímil haver ameaça à ordem pública ou ao agente, dada a pacatez dos circunstantes, que aparentemente se estão a fazer difíceis em destroçar. Sabemos que a agressão máxima terá sido verbal. E sabemos que sabemos que aqueles trinta segundos vão mudar a vida daqueles miúdos para sempre. Mas sim, vamos imaginar que o homem que está prestes a levar uma tareia disse a pior coisa possível, que o homem mais velho pior ainda e até que os miúdos são uns selvagens. Mesmo que tudo isto tenha acontecido – e não é nada disso que se vê -, a reacção do agente policial é injustificável, pela desproporção, pela gratuitidade da violência e pela cegueira de sovar um pai à frente do filho. Foi tão escabroso que há um polícia que acode imediatamente ao miúdo, afastando-o e tapando-lhe a visão. E foi tão evidente que o operador de câmara da CMTV, inteligente, cedo percebe que a “notícia” não é o homem que está a apanhar, é o miúdo que está a ver – para quem ele desvia a câmara.

É evidente que, neste caso, o agente tem de ser expulso da força policial. “A PSP tem por missão assegurar a legalidade democrática, garantir a segurança interna e os direitos dos cidadãos, nos termos da Constituição e da lei” – e nesta missão não há um asterisco que diga que “em certos casos é admissível que um agente perca a cabeça e esmurre famílias que à sua ordem não destrocem imediatamente dos muretes onde se demoram”. Até porque o agente é graduado, é comandante, é experiente – e dá medo pensar nessa experiência e em quem passou por ela...

O que se passou no Marquês, repito, é diferente. O corpo de intervenção serve para “acções de manutenção e reposição de ordem pública” e “combate a situações de violência concertada” e é indiscutível que uma das coisas aconteceu: a acção do corpo de intervenção foi necessária, em causa está o grau dessa acção, houve civis feridos e polícias feridos.

Em Guimarães, aquele miúdo viu o que miúdo nenhum pode ver. Só que desta vez nós também vimos. E se a CMTV não estivesse ali? A pergunta na verdade não é essa. A pergunta é: e quantas vezes a TV não está ali? E nesses vezes, a PSP faz o quê? Os agentes policiais que violam os princípios da lei e envergonham a sua própria força, o que lhes acontece?

Não podemos tomar a floresta pela árvore mas é de árvores que a floresta se faz e a nossa floresta – de polícias, de pais e de miúdos – torna-se sã ou doente não só por causa destes casos mas pela forma como a tolerância se torna ou não complacência e a impunidade se subverte ou não em aceitação. Aceitamos isto? Não. Claro que não. E isto, é um caso isolado ou é hábito na PSP? Nem um polícia em cada esquina nem uma câmara atrás de cada polícia nem um país onde ir à bola é um risco e nem sequer por causa dos vândalos mas por causa de quem nos deve proteger deles.

Partilhe este artigo

Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post
Comentários
0 Comentários

Comentários Blogger

Mensagens populares

Manuel Queiroz apanhado a mentir é arrasado em directo

Para Manuel Queiroz (presidente do CNID - Clube Nacional Imprensa Desportiva), o jogo Marítimo-Benfica, da época 2015/16, "foi estranho e levantou logo suspeitas porque Fransérgio jogou a ponta de lança". Entretanto, já o programa ia a meio, Queiroz recebeu uma resposta surpreendente.

imagem fonte:zerozero


Nota: Ninguém fala das poupanças do Marítimo contra o SCP (5 titulares no banco) para poderem defrontar o Benfica na jornada seguinte. 400.000 euros explicam essa estranheza. Também ninguém fala das 5 derrotas do Marítimo nas últimas 6 jornadas desse campeonato... (Rui Faria)

Verdades que as 'Virgens ofendidas' do Sporting merecem ouvir

Telespectador aviva a memória das 'Virgens ofendidas' do Sporting.



O telespectador Eugénio Matos, esta manhã no Opinião Pública SIC Noticias, disse muito do que tem de ser dito aos sportinguistas: "Todos têm responsabilidades, mas há muita gente a querer tirar o cavalo da chuva" "Agora estes senhores sofrem todos de Alzheimer?"

Francisco J. Marques, os teus e-mails são meus

Francisco J. Marques, achas mesmo que tens o direito, a legitimidade, ou apenas a moralidade para usar a minha caixa de correio electrónico, e desatar a ler os meus e-mails num programa de TV? A sério? Então por que não fazes o mesmo com a tua caixa de correio electrónico?


hseneca@exameinformatica.pt
Francisco J. Marques, os teus e-mails são meus
Como não sou exibicionista, vou poupar pormenores sobre aquilo que se pode encontrar na minha caixa de e-mail profissional:

- Alguns e-mails de pessoas que me deram informação sob anonimato;

- Um ou outro secretário de estado; e penso que até um ministro antes de o ser;

- Pouco mais de uma dezena de mensagens onde descomponho alguém que me pareceu incompetente na hora de me dar informação e um pouco mais de uma dezena de e-mails em que essas pessoas justamente me retribuem na mesma moeda;

- Alguns poemas ridículos que me hão de envergonhar até ao último torrão de terra cair sobre o meu caixão;

- Cartas para os meus filhos e para a mãe dos meus…

«Exactamente. Fomos avisados pela própria Policia Judiciária»

FC Porto, 30 anos a ganhar à custa de expedientes irregulares.  Revelações da ex-companheira de Pinto da Costa



Quem é que avisou?
"Foi um elemento da Policia Judiciária, amigo do irmão de Reinaldo Teles"

"Ele [árbitro] foi pago para o Porto ganhar e o Benfica perder. E fomos campeões."

Confissão do ex-árbitro Jacinto Paixão: "É verdade que o FCPorto nos ofereceu raparigas como era habitual fazer.."

«Não dou nenhuma credibilidade à reportagem da SIC» Rui Gomes Silva

Em seis minutos Rui Gomes Silva desmonta a peça da SIC sobre corrupção desportiva.




Rui Gomes Silva analisa a reportagem da SIC assinada pelo jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira. No programa O Dia Seguinte, Gomes da Silva começou por dizer categoricamente: "Com todo o respeito pela SIC, não dou nenhuma credibilidade à reportagem".