Julio Machado Vaz: O derby - Master Groove
Avançar para o conteúdo principal

Julio Machado Vaz: O derby

Maria,
O Benfica marca passo em vez de golos e a criança dentro de mim enovela-se para chorar. 
Vivemos numa sociedade que suporta com ligeireza os danos colaterais – nas guerras a céu aberto ou nas reuniões discretas da alta finança é dado adquirido que muitos ficarão pelo caminho, debaixo de cruzes ou nas sarjetas, em prol de um futuro melhor para todos (os outros). Contigo descobri o conceito de “benefício colateral”. O Benfica encarniçava-se contra mais uma parede, o mundo fugia dos pés da criança, a cor da face do seu filho adulto, que a custo mantinha as aparências até mergulhar em longa insónia, mais tabuleiros houvera e em mais eu perderia, o sonho de um desprendimento sábio nunca se realizou. 

Entraste na minha vida e não escondeste a surpresa perante o que consideravas um desperdício - sofrer por noventa minutos de bola cá, bola lá, homens feitos de calções perseguindo-a e não desprezando en passant canelas adversárias, rostos ingénuos e escandalizados – “quem? eu?” – prontos a emoldurarem mãos postas na direcção de juízes vestidos de negro, filhos de mães que ninguém no improvisado tribunal conhece mas são alvo de gritos e dedos certos da sua má conduta, toda(s) a(s) cena(s) emoldurada(s) por milhões de euros em país que alega não os ter para fazer cantar um cego, comer um pobre, ficar um emigrante, investigar um universitário, trabalhar as gentes. É revoltante, dizias. E no entanto... Nesses momentos o amor levava a melhor sobre as dúvidas quanto à minha sanidade mental e oferecias ombro solidário ao adulto e colo terno à criança, que da sua tristeza funda chamava o filho grande e ainda renitente por arrogância superficial, encontrávamo-nos a meio caminho, no silêncio acolhedor do teu peito. 

Ao som regular do teu enorme coração o miúdo adormecia e eu acordava para outros jogos, em que (me) perdia, fascinado por esse prazer longínquo e vertiginoso, de que as mulheres têm o segredo e os homens a nostalgia orgulhosa de quem participa nos bastidores. E assim, a cada novo tropeço do Benfica, o túnel não ficava menos escuro, mas a certeza da tua luz diminuía-lhe minutos, lágrimas e imprecações, o sofrimento fazia sentido, vezes houve em que desconfiei ser o preço a pagar pelo esplendor do que vivíamos, este meu fundo judaico-cristão...

P.S. E não é que ganharam? Cinco minutos de alegria aliviada. E como a águia em voo picado sobre a carne – mas sem milhares a asssistirem! – assalta-me consciência da injustiça das palavras. Por incompletas... Eles ganhavam e tu sorrias, divertida, dos nossos risos, ainda incrédulos mas já prontos para festejos menos recatados. Seguias-nos, vigilante, rumo a cervejaria ou casa de amigos, aceitavas de bom grado os festejos, mas qualquer brisa de exagero enfunava as velas do teu sobrolho, o sorriso não esmorecia e no entanto abrigava a cautela, órfã dos caldos de galinha, mas severa – “Júlio, como é aquela frase que me ensinaste? Il faut garder la mesure?”. E eu e o puto não guardávamos bandeiras, cachecóis, finos, bifes, gargalhadas ou abraços de compinchas; apenas isso – la mesure. Além da muito pouco secreta esperança de terminar, perdão!, começar a noite no teu peito.

Maria, tu adoçavas as derrotas e vestias de cores ainda mais garridas as vitórias, não há fim de jogo do Benfica em que os meus olhos não busquem a porta, supersticiosos. Nada. E pluribus unum. De todos, um? Tempos houve em que sim, de nós os dois nascia um, tal a cumplicidade, que não anulava nenhum e enriquecia ambos. Agora só partilhamos um meridiano. E outro silêncio; estéril. Ponho Dark Side of the Moon. Um coração bate, mas não é o teu. E o grito não chega a Londres...
Boa noite. Fica bem.

Partilhe este artigo

Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post
Comentários
1 Comentários

Comentários Blogger

  1. ► ÚLTIMA HORA:

    Afinal não foi lã de rocha que caiu no Estádio da Luz no domingo, era JUBA.
    Eusébio lá de cima tosquiava leões.

    http://benficadojota.blogspot.com/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares

Manuel Queiroz apanhado a mentir é arrasado em directo

Para Manuel Queiroz (presidente do CNID - Clube Nacional Imprensa Desportiva), o jogo Marítimo-Benfica, da época 2015/16, "foi estranho e levantou logo suspeitas porque Fransérgio jogou a ponta de lança". Entretanto, já o programa ia a meio, Queiroz recebeu uma resposta surpreendente.

imagem fonte:zerozero


Nota: Ninguém fala das poupanças do Marítimo contra o SCP (5 titulares no banco) para poderem defrontar o Benfica na jornada seguinte. 400.000 euros explicam essa estranheza. Também ninguém fala das 5 derrotas do Marítimo nas últimas 6 jornadas desse campeonato... (Rui Faria)

Verdades que as 'Virgens ofendidas' do Sporting merecem ouvir

Telespectador aviva a memória das 'Virgens ofendidas' do Sporting.



O telespectador Eugénio Matos, esta manhã no Opinião Pública SIC Noticias, disse muito do que tem de ser dito aos sportinguistas: "Todos têm responsabilidades, mas há muita gente a querer tirar o cavalo da chuva" "Agora estes senhores sofrem todos de Alzheimer?"

Francisco J. Marques, os teus e-mails são meus

Francisco J. Marques, achas mesmo que tens o direito, a legitimidade, ou apenas a moralidade para usar a minha caixa de correio electrónico, e desatar a ler os meus e-mails num programa de TV? A sério? Então por que não fazes o mesmo com a tua caixa de correio electrónico?


hseneca@exameinformatica.pt
Francisco J. Marques, os teus e-mails são meus
Como não sou exibicionista, vou poupar pormenores sobre aquilo que se pode encontrar na minha caixa de e-mail profissional:

- Alguns e-mails de pessoas que me deram informação sob anonimato;

- Um ou outro secretário de estado; e penso que até um ministro antes de o ser;

- Pouco mais de uma dezena de mensagens onde descomponho alguém que me pareceu incompetente na hora de me dar informação e um pouco mais de uma dezena de e-mails em que essas pessoas justamente me retribuem na mesma moeda;

- Alguns poemas ridículos que me hão de envergonhar até ao último torrão de terra cair sobre o meu caixão;

- Cartas para os meus filhos e para a mãe dos meus…

«Exactamente. Fomos avisados pela própria Policia Judiciária»

FC Porto, 30 anos a ganhar à custa de expedientes irregulares.  Revelações da ex-companheira de Pinto da Costa



Quem é que avisou?
"Foi um elemento da Policia Judiciária, amigo do irmão de Reinaldo Teles"

"Ele [árbitro] foi pago para o Porto ganhar e o Benfica perder. E fomos campeões."

Confissão do ex-árbitro Jacinto Paixão: "É verdade que o FCPorto nos ofereceu raparigas como era habitual fazer.."

«Não dou nenhuma credibilidade à reportagem da SIC» Rui Gomes Silva

Em seis minutos Rui Gomes Silva desmonta a peça da SIC sobre corrupção desportiva.




Rui Gomes Silva analisa a reportagem da SIC assinada pelo jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira. No programa O Dia Seguinte, Gomes da Silva começou por dizer categoricamente: "Com todo o respeito pela SIC, não dou nenhuma credibilidade à reportagem".