Avançar para o conteúdo principal

Resposta de João Gobern - Brilhante


Meus amigos:
Gostava que me dessem a oportunidade de me referir aos acontecimentos desta semana. Tentarei que seja a última vez até porque, doravante, o assunto só serve para cansar e desgastar. Lá vai…

1. Não me peçam, nem agora nem nunca, que não festeje um golo do Benfica. Faço-o há muitos anos, desde que me reconheço como gente. Já me aconteceu ter que o fazer em campos tidos como adversos – as antigas Antas, o antigo Alvalade. Não festejo contra ninguém, nem me pinto de raiva ou de provocação. Gosto muito do meu clube. Tenho esse direito.

2. Festejei o golo no enquadramento errado. Se não tivesse consciência plena desse deslize, não tinha posto o meu lugar no “Zona Mista” à disposição ainda antes de as campanhas orquestradas chegarem ao seu destino. Ou seja, tenho consciência de que errei. Saber se existiu proporcionalidade entre o meu lapso e a posterior sentença, isso é outra conversa. Tenho a minha opinião (por mais que isso custe aos que viram nessa minha mania uma coisa qualquer chamada “falta de isenção”) mas, com vossa licença, opto por guardá-la.

3. Desafio um adepto de qualquer clube a manter-se quieto depois fechado num estúdio – já a comentar as incidências de um jogo mas sem poder perder as jogadas-chave de outra partida, que terá que comentar de seguida e que se reveste de muito maior importância – diante de um encontro que decide a continuidade nas corridas ao título, emotivo como aquele foi, decidido no último quarto de hora, e com um golo favorável no tempo de compensação. Foi infeliz o gesto? Sim. Foi desajustado? Sim. Foi tudo um grande azar? Quero continuar a pensar que sim. Mas não posso sequer garantir, para ser sincero, que não voltaria a fazer-me o mesmo, de uma forma espontânea e não premeditada. Por maioria de razão, não foi – insisto – uma provocação a ninguém, muito menos aos adeptos do Sporting de Braga.

4. Quanto à minha “atitude continuada” no programa, digo apenas isto: nunca me limitei nas minhas críticas pelo facto de ser adepto do Benfica. Julgo, inclusivamente, que o condicionamento funcionou ao contrário, obrigando-me a ser mais exigente com o meu clube do que com os outros. Nunca ofendi nenhuma instituição, nunca mencionei sequer a vida privada de dirigentes, técnicos ou jogadores – as críticas foram sempre dirigidas a comportamentos públicos e relacionados com o futebol.

5. Apesar de poder ter ofendido – involuntariamente – alguns telespectadores com o meu gesto, acabei por ser agradavelmente surpreendido com a quantidade de mensagens de apoio que recebi de sportinguistas e portistas, bem como de alguns adeptos do Braga. Agradeço o gesto, que me deixa mais descansado quanto ao meu desempenho no programa. De caminho, e sem querer entrar em discussões académicas, quero deixar bem claro que não acredito na “isenção” ou na “imparcialidade”. Respeito, evidentemente, todos os meus parceiros de ofício que optam por não revelar as suas preferências clubísticas. Eu escolhi outro camnho mas, dentro daquele estúdio de tantos sábados, a única camisola que vesti foi a da RTP. E, se quiserem, a de um combate por um futebol melhor e mais autêntico.

6. Tenho que agradecer aos benfiquistas o apoio demonstrado. Algumas mensagens foram verdadeiramente comoventes, outras muito estimulantes. E, de alguma forma, acaba por ser significativo o facto de elas não virem de gente com responsabilidades directivas, mas das bases, dos adeptos, dos meus pares. Não esquecerei o aconchego, nesta hora complicada de viver.

7. Agradeço aos meus amigos, a todos os que não conheço, a alguns com quem não falo há mais de vinte anos, à minha família (que se afligiu e a quem recordo que aquilo que não nos mata torna-nos mais fortes), a camaradas de profissão que julgava perdidos no tempo, a jornalistas que mal conheço, a figuras públicas cuja atitude não precisa de ser aqui publicitada, até velhos companheiros destas e outras lides (pelo incómodo que isso lhes possa ter causado não devo deixar de referir o Pedro Ribeiro, o Paulino Coelho, o José Mariño, o Jorge Alexandre Lopes, o Manuel Queiroz, o João Querido Manha, o Nuno Dias, o Leonardo Ralha, o José Carlos Soares, o João Carlos Silva, o Miguel Carvalho, o Rui Baptista, a Maria João Fialho Gouveia, o Luís Miguel Pereira, o José Zambujal, a Lurdes Feio, o José Paulo Fafe, a Raquel Morão Lopes, o Paulo Marcelino – obrigado a todos e mais aqueles de que possa estar a esquecer-me.

8. Ironizando, quase apetece dizer que valeu a pena tudo isto só para ser nomeado numa coluna do José Ferreira Fernandes, a quem fico devedor de mais esta atenção. Como de costume, ele viu o pormenor que escapa aos outros. Como é seu hábito, partiu do ponto para chegar ao todo. Soube-me especialmente bem o propósito guerreiro da Helena Sacadura Cabral e da Maria João Duarte. O meu parceiro, Pedro Rolo Duarte, esse nunca falha. Permitam-me, ainda assim, que saliente uma mensagem simples, “um abraço” só, de um homem com quem nunca falei pessoalmente mas que, se dúvidas houvesse (e eu já não as tinha), se confirmou como aquilo a que os meus avós chamariam “um cara direita” – Nuno Gomes, o (antigo) capitão do Benfica, hoje profissional de mão cheia do Braga.

9. Nesta espécie de despedida, antes de voltar à “vida real”, faço questão de agradecer a dois homens que, pela entrega, pelo profissionalismo, pela boa disposição e por um quase infinita capacidade de trabalho, caminham para o lugar dos eleitos num mister que não é para todos – o Hugo Gilberto e o Manuel Fernandes Silva. Não há melhor. Quanto ao Bruno Prata, quero afiançar-lhe que, escaramuças à arte, guerrilhas postas de lado, mantenho o que disse na primeira emissão do “Zona Mista”: aprendi com ele. Futebol mas, mais do que isso, lealdade e disponibilidade. Já que não nos deixam ser adversários, lá teremos que ser amigos.

10. Tendo reconhecido o erro, tendo lamentado o sucedido, há uma pessoa que me obriga a ir mais longe. Por ter apostado em mim quando nada o obrigava, por me ter brindado com este desafio e porque o capítulo final é tão murcho, resta-me pedir desculpas ao meu amigo Carlos Daniel. Garantindo-lhe que há casos em que a memória funciona mesmo.

11. Aos que escolheram o insulto, a insinuação, a mentira, a queixinha – já conseguiram o que queriam. Agora, por favor, vão marrar para outro lado, que eu, felizmente, tenho mais que fazer.

12. Gostaria, se me permitem esse desejo, que fossem desactivados os grupos de apoio e as petições em que eu esteja envolvido, mesmo indirectamente. Esta terra tem problemas sérios demais para que se gaste tanta energia, tanta disponibilidade e tanto tempo com questões que são verdadeiramente acessórias.

13. Num país onde os lapsos andam à solta, onde se mente impunemente, onde se rouba sem consequências, onde se abusa dos mais fracos, onde se lançam cortinas de fumo para que as pessoas se esqueçam dos seus problemas, posso dizer que, ao menos no meu caso, a culpa não morre solteira. Azar meu: foi justamente agora que ela, a culpa, decidiu casar-se e ser monogâmica.

14. Obrigado, ainda uma vez. Até um dia destes. Boa Páscoa. Espero as amêndoas só na segunda-feira.

João Gobern, in facebook

Partilhe este artigo

Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post
Comentários
19 Comentários

Comentários Blogger

  1. Caro amigo, devo criticar-te: DEVIAS TER LEVANTADO OS DOIS BRAÇOS!

    Daniel Catalão

    ResponderEliminar
  2. Defendi o João Gobern no momento em que esta situação foi despoletada e sinceramente que fiquei muito triste por o ver sair de um programa onde tinha comentários isentos e relevantes para o Desporto nacional.Gostaria de recordar que João Gobern,na análise que fez ao jogo com o Braga,disse com toda a frontalidade que tinha sido um grande jogo e que o Braga merecia o empate.Um benfiquista como ele ao fazer este elogio ao Braga,é de um homem sério e honesto e de uma imparcialidade única."A Zona Mista" para mim acabou,o João era o elo mais importante do programa pelas suas considerações justas e oportunas e,de facto,vestiu sempre a "camisola" da RTP.É um Jornalista inteligente e um grande profissional da nossa comunicação social,vai fazer falta nos comentários sobre o futebol e sobre a política nacional e internacional.Um abraço ao João Gobern e obrigado pelas sábias análises que só ele sabe fazer.

    ResponderEliminar
  3. Vamos deixá-los morrer à fome , não precisamos desta merda da RTP N (Porto)da sic da TVI 24 Sejamos BENFICA TV Força PORTUGAL é NNosso

    ResponderEliminar
  4. Grande João Gobern até no final do Post ponto 12, revela a sua enorme personalidade, continuo a ouvi-lo na Antena 1 todas as manhãs em ''Cortar a Direito'' aprendemos sempre com ele sobre vários temas da actualidade nas suas oportunas crónicas sobre a Vida.
    Cumpts.

    ResponderEliminar
  5. Grande João Govern, o importante é poder continuar a ouvir-te a cortar a direito todas as manhãs na antena1.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. Tito escreveu: "Esta síntese é de uma qualidade e categoria só ao alcance de profissionais como o João Gobern.De facto a sua narração evidencia a "podridão" que passa em silêncio por este país de "chicos espertos" e de "sacaninhas" que fazem da hipocrisia a sua bandeira para singrarem na vida.São homens de H grande como ele que fazem falta neste país,dizer a verdade e manifestar as suas opções clubistas sem medo,neste país de "malfeitores",dá direito a despedimento sem justa causa,o que não foi o caso porque foi o próprio João Gobern, na sua honestidade intelectual,que pôs o lugar à disposição.Para ele um grande abraço de solidariedade e até sempre!"

    ResponderEliminar
  7. Grande João Govern, o importante é poder continuar a ouvir-te a cortar a direito todas as manhãs na antena1.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Clara falta de profissionalismo, ainda por cima brincar com os impostos dos Portugueses. Espero que da próxima vez a RTP escolha uma pessoa séria para o lugar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma pessoa séria para o lugar???!!

      uhmm! deixa lá ver quem...

      ah! já sei:
      o corrupto-mor, presidente do teu clube. esse é que é sério!

      Eliminar
    2. ridiculo, bruno costa, ridiculo. sbes la o que e ser serio.

      Eliminar
  9. "...Aos que escolheram o insulto, a insinuação, a mentira, a queixinha – já conseguiram o que queriam...."

    Caro João Gobert, neste do mundo do futebol nacional, tenho observado que infelizmente não podemos ser mansos, sob pena de a mentira e a desonestidade ganhar sempre. Aplaudo a sua honestidade intelectual mas, falando verdadeiramente, na realidade quem o ataca não tem isso em conta. O mundo do futebol português é composto e dominado por canalhas e por gente de poucas virtudes que e está nas tintas para isso.

    Abraço sincero

    Jorge Silva

    ResponderEliminar
  10. foi grande o João, foi honesto, reconheceu que errou mas nao deixou de dizer que há muitoa gente que Esconde o seu clube para poder falar a vontade e sem necessitar disfarçar a sua parcialidade...

    um abraço

    ResponderEliminar
  11. Revejo o comentário de Gobern...
    Ok, ele escreve o que quer.

    "assunto só serve para cansar e desgastar"
    "Tenho a minha opinião ... mas... opto por guardá-la"

    Faltou um "a culpa não morre solteira".

    Era neste momento que Gobern deveria ter erguido a foice e zás... Iría saír sangue? Sim... e depois?

    De que valem hipotéticas verdades se a coragem de peito cheio é apenas um mero balãozito de oxigénio? Saíu um peido mas não um peido mestre.

    Gobern! Os benfiquístas serão as tuas costas quentes. Deixa-te de rodeios pá! Foi-te armada uma cilada, está na hora de avançares com nomes. Está na hora de a seara ser cortada e tu tens uma bela foice, aproveita-a.

    ResponderEliminar
  12. Forçaaaaaaaaaaaa João !

    Quem perde é a rtpalermo .

    ResponderEliminar
  13. confesso que não ouvia o programa "Pano para mangas" do João Gobern na Antena 1 porque felizmente posso me levantar um pouco mais tarde. mas como há net vou passar a ouvir em podcast. é o meu protesto. dar relevo e importância a quem a tem e não a quem tem bons compadrios ;)

    ResponderEliminar
  14. Quero o gobern na Benfica tv!!!!!

    ResponderEliminar
  15. Caro amigo João Gobern, vemos atitudes mais deploraveis noutros debates de futebol, basta ver o dia seguinte, akilo é das maiores palhaçadas que existem. Tiveste azar em seres apanhado pelas camaras. Queria ver se fosse o "pseudo-vocalista" dos Blind Zero em igual situaçao se acontecia o mesmo? Abafavam e td seguia.
    Não ligues a provocações de anti-benfiquistas, pois os que te julgam, são os que te avaliam por esse "episodio", e nunca ouviram o programa em que participavas. "Vozes de burro não chegam ao céu".
    Boa sorte na tua vida pessoal e profissional.

    Um abraço

    VIVA O BENFICA!!!

    ResponderEliminar
  16. É impressão minha ou há uma indirecta do Gobern ao Carlos Daniel, mais um Benfiquista envergonhado, responsável pela rtp-palermo e que vergonhosamente o deixou cair.

    Já via pouco essa merda desse canal mas para mim já está out.

    Já faltou mais para a o clube corrupto e a escumalha afeta levarem um valente pontapé no traseiro.

    ResponderEliminar
  17. QUERO O JOÃO GOBERN COMO DIRECTOR DE COMUNICAÇÃO DO SLB!!!!!

    Tiago Teixeira

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares

Pinto da Costa ARRASADO na RTP

Júlio Machado Vaz e Rui Oliveira e Costa respondem à CALÚNIA (aqui) de Pinto da Costa: "O Benfica era o clube do fascismo".

Veja, no final do video, a brutal resposta ao pirralho do Guedes: "Tens sorte porque ganhaste em liberdade, mas se tivesses perdido também tinhas sorte, sabes?!"

Para que conste: o SLBenfica teve na sua direcção homens como Cosme Damião, Félix Bermudes, Manuel da Conceição Afonso, João Tamagnini Barbosa e Borges Coutinho, notórios democratas, homens de esquerda, sindicalistas e activistas. Em 33 presidentes da Direcção, o Benfica só teve 1 elemento ligado ao Estado Novo: Mário Madeira, mas e só depois de este ter deixado o cargo de governador civil de Setúbal.

No FCPorto é uma chusma deles ligados ao Fascismo! Presidentes da Direcção do FCP e em promiscuidade com cargos como deputados da União Nacional: Urgel Horta, Cesário Bonito, Ângelo Veloso; e ministro de Instrução: Augusto Pires de Lima. Para lá de outros pertencentes ao Fascismo Regiona…

António Oliveira faz denúncias GRAVÍSSIMAS

"Mário Figueiredo foi o único que tentou quebrar o totalitarismo do poder" - referiuAntónio Oliveira este domingo no Trio de Ataque.

Afirmou que Luís Duque está a prazo como presidente da Liga... "ele foi juntar-se à "pandilha" que continua a governar totalitáriamente e a mandar no futebol português, não deixando que o futebol passe desta pasmaceira, desta agonia".. disse.

Oliveira acusa a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e várias empresas de, deliberadamente, terem boicotado os patrocínios à Liga de Mário Figueiredo.

Calúnia é crime! Isto não pode passar em claro

Pinto da Costa na Afurada  11 Maio 2012"O Benfica era o clube do fascismo!"




A propaganda nazi sabia que “uma mentira repetida mil vezes se tornava verdade”. Era o que dizia o senhor Goebbels, o sinistro ministro da propaganda de Hitler. Pinto da Costa, há anos que lê da mesma cartilha e usa os mesmos métodos. Por exemplo, à força de repetir que o “seu” clube foi fundado em 1893, quando na verdade foi fundado apenas em 1906. (comprovar aqui - e no video)
O Sr. Pinto da Costa montou uma ficção e vive nela. Ao contrário dos rivais de Lisboa, que escolheram animais existentes para símbolo dos seus clubes (a águia e o leão), o Sr. Pinto da Costa inventou um animal mitológico e faz crer aos portistas que ele existe: um dragão! Ora os dragões têm referido repetidamente que o Benfica ganhava sempre no passado porque era “o clube do Regime”, e agora o seu Chefe chegou ao desplante de dizer que era “o clube do Fascismo”! A calúnia é crime, meus senhores, e o Benfica devia pôr um proc…

O túnel da Madalena - O túnel da corrupção!

O túnel da “Madalena”, cujo início da construção data de meados da década de 80 do século passado, é uma cópia fiel, mas muito mais refinada, de um, bem mais antigo, o das Antas - esse túnel tenebroso onde se simulava a sodomização dos árbitros e que foi um altar de mêdo, boçalidade, coacção e violência.

Um túnel apetrechado com um sistema de fios condutores “com tecnologia de ponta”, onde todas as chamadas telefónicas partiam ou chegavam à cabine controleira de Giorgio.

Augusto Duarte e António Araújo, suspeitos aventureiros da noite, atravessaram-no, seguindo sempre, sempre em frente, e numa escuridão total, sem um único clarão, trouxeram do seu interior o envelope mágico, uma simples folha de papel que à luz do dia se transformou em cinco notas de quinhentos euros.

Jacinto Paixão, José Chilrito e Manuel Quadrado provaram no lusco-fusco desse túnel, os sabores de sexo oferecido, numa volúpia louca e corrupta de triste desfecho.

Martins dos Santos, ao palmilhá-lo com subserviência dur…

Amigos, é ainda PIOR !!

Afinal não era a troika, é o bando dos quatro: o cancro, o ministro, o pusilânime... e o corrupto!!


Agora sim, o quarteto está completo e não falta ninguém.. sim, nem a Judite de Sousa - aquela dos deveres conjugais, que privou o Seara (coitado) de assistir à final da Taça da Liga!. Mas que raio de benfiquista é este?!?
Adenda 1: Só falta mesmo o Pedro Proença! Adenda 2: Confirmação da noticia

António-Pedro Vasconcelos: Rival ou inimigo?

Perante o silêncio cúmplice com que a Direcção do SCP e a maioria dos comentadores afectos ao clube de Alvalade acompanharam, nestes últimos anos, os castigos do processo do Apito Final e as absolvições do Apito Dourado, muitas vezes me tenho perguntado: será que já não há sportinguistas decentes, que não confundem o RIVAL com o INIMIGO?





Nestes últimos anos, depois de Dias da Cunha ter denunciado o SISTEMA e ter chamado os bois pelos nomes, a cumplicidade com o FCP por parte das direcções que se lhe seguiram (Filipe Soares Franco e, agora, Bettencourt) foi demasiado evidente: o inimigo era o Benfica e tudo o que servisse para atacar o Glorioso era bem-vindo, nem que para isso tivessem que pactuar com a batota e associar-se ao clube cujo presidente se gaba de ter deixado Bettencourt de mão estendida e lhes levou o Ruben Micael, o Moutinho e mesmo o treinador que eles julgavam que iam exibir este ano como um D. Sebastião: o Villas-Boas. E tudo o Porto levou!

A cumplicidade era tão gran…

Obra-prima de Talisca

Benfica 1-0 Rio Ave

«Bruno de Carvalho devia ir para o manicómio» Dias da Cunha

Dias da Cunha disse, nesta quinta-feira, que Bruno de Carvalho "devia ir para o manicómio". Em declarações à Antena 1, o ex-presidente do Sporting considera que a ida de Jorge Jesus para o Sporting é "absolutamente inacreditável".