Avançar para o conteúdo principal

Estava mesmo a pedi-las...Rui Moreira é arrasado!

Rui Moreira a branquear desde 1893



Sexta-feira, fim de tarde, já noite cerrada.

Acabei de chegar a casa vindo directamente do quiosque onde compro sempre o jornal “O Benfica” e onde, como habitualmente, dou uma vista de olhos, atenta, pela pasquinada desportiva.
Em "A Bola" chamou-me a atenção o título de primeira página do artigo de opinião da autoria de Rui Moreira, com uma referência irónica a Moretto, guarda-redes do Olhanense. Na coluna, extensa, diversas abordagens “à la pirata” e um autêntico chorrilho de bacoradas insinuantes, ou não fosse este Moreira um adepto vesgo e incorrigível do grémio da Pocilga.

A sua coluna, um gueto peçonhento anti-Benfica, constitui-se como um dos principais afluentes de um esgoto execrável a céu aberto que hoje é “A Bola” - um amontoado de folhas especulativas e imprecisas de escribas e escrevinhadores fracos, incompetentes e que vagueiam consoante o vento, mais os junta-letras que vieram da horda andrade contumiliana e que ali estão destacados estrategicamente com a única missão de morder o Benfica, enxovalhá-lo, e cantar odes ao clube corrupto, omitindo e camuflando tudo o que perturbe o status quo dimanado de Palermo. E, perigosamente, começam a tomar a forma de uma infestação descontrolada. Uma pandemia que já será difícil de suster, e que transforma “A Bola” a sul, num segundo “O Jogo”– órgão desportivo e oficial diário do clube corrupto - já que os controleiros lagartinóides do “Record”, a começar pelo seu director Alexandre Pais e a acabar nos intragáveis António Magalhães, António Varela(?) e Bernardo Ribeiro, ainda continuam a ser os oficiais-de-campo mandatados para especular sobre o Benfica, levando às cavalitas o Çeportén, barrando assim o caminho naquela publicação, à invasão andrade.

Lembro-me ainda, muito bem, de ler “A Bola” às segundas e quintas-feiras, e considerá-la como uma importante referência de leitura para mim.

Hoje, é uma cloaca máxima onde muita gente verte o seu esterco, os seus ódios, as suas vinganças e as suas vaidades.

Vergonhoso!

Já não bastava a paupérrima coluna de 2ª feira, intitulada “2ª a fundo” e que deveria ler-se, “2ª ao fundo!” - não sei se ainda é publicada - de um editor chefe, que no pasquim é o porta-estandarte do clube condenado por corrupção e cujo nome é Carlos Pereira Santos, conhecido na gíria jornalística e não só, como “A Arrastadeira de Leça”, que para além de ferrar contínuas alfinetadas no Benfica e escarnecê-lo através de uma prosa popularucha muito próxima da de um analfabeto bronco e boçal, ainda vem este gajo, o tal Moreira, tentar branquear o grémio corrupto atacando o Benfica, com uns escritos manhosos e falaciosos, que nalgumas situações, por confundir muitos leitores, têm se ser desmontados e denunciados como habilidades de outro provinciano carregado de complexos e de rancor em relação ao Glorioso e a Lisboa. Para completar este mórbido perfil, teve em tempos um comportamento ziguezagueante para com o chefe da camarilha, mas ambicioso, recuou nesses propósitos de afrontamento, optando pela participação em vigílias promovidas pelos seus companheiros de clube - Pidás; Macacos, elementos da violenta claque dos supermatulões que fizeram parte da guarda pretoriana que em tempos escoltou o “guru das bufas” à PJ, conhecidos especialmente por actos de pilhagem e vandalismo e pelas suas ligações aos submundos do crime e da marginalidade - e por outro lado, colando-se à clique que governa o clube, tem pugnado pelos galardões que um dia possam contribuir para que seja o sucessor natural do declamador de pacotilha e mediúnico de trazer por casa.

Um fulano que, como tantos outros pertencentes à agremiação dos impunes e que depois da atitude reles e baixa, ao abandonar cobardemente um programa televisivo onde corajosamente lhe chaparam na tromba verdades incontestáveis que colocam o seu querido grémio e respectivo mentor num lodaçal nunca visto, factos que ele nunca quis ouvir e que sempre tentou ocultar e branquear vergonhosamente nesses programas, se enxofrou e abespinhou em “A Bola” conjuntamente com outro reles prosélito, com as críticas e com a inteligente argumentação factual de uma voz que também lá escrevia e que foi lastimávelmente silenciada pela postura censória e de conveniência do director dessa publicação – uma atitude fascizante, acobardada e prepotente que jamais esquecerei. Aí, quem lhe foi ao lombo sem dó nem piedade e o pôs a andar na corda bamba, como foi o caso do RAP, nos reparos que fazia às sua incoerências, habilidades e piruetas que sem dúvida alguma conseguiam mostrar Rui Moreira como ele é na realidade - um verdadeiro artista de circo, nado e criado na Trypalândia - foi afastado da batalha, mas aqui, nos nossos blogues, teremos sempre o dever de denunciar essa corja e continuar a escrutiná-lo.

Posto isto, vou falar da forma habilidosa que com uma ronha típica dos provincianos de Palermo, ele se referiu ao Moretto e ao Benfica.

Assim, diz ele que não quer pôr em causa o profissionalismo dos jogadores, blá, blá, blá, blá, blá.

Então porque é que insinua, de uma forma irónica e a roçar a cretinice, aquilo que aconteceu ao Moretto?

Porque teve de falar nele e no que lhe aconteceu, ligando-o ao Benfica?

O seu nível não lhe permite evitar a insinuação torpe e usa sempre a baixeza para se referir ao facto. Vou lembrar-lhe que Jorge Costa, quando estava no Marítimo, emprestado pelo seu querido grémio da fruta & e dos chocolatinhos, num célebre jogo na Madeira, marcou um golo na própria baliza com uma preciosa cabeçada, tão intencional, que essa sim, não deixou dúvidas nenhumas quanto à sua natureza. Mas muitas outras cenas iguais ou parecidas já aconteceram com o grémio de Rui Moreira, e continuarão anos e anos a fio, o que vem demonstrar à saciedade, quanto não valem as gavetas da cómoda do quarto com a luz acesa, na Madalena, os calores nocturnos e as negras pérolas de Palermo, os cafézinhos e cházinhos por fora...mesmo para aqueles que vão jogar noutros clubes onde ficam previamente lesionados quando há jogo contra o patrão corrupto, ou metem daqueles golos monumentais, como foi aquele da Madeira, aqui há uns anos atrás.

Isto quanto aos jogadores.

Quanto aos árbitros, já não há nada a fazer enquanto não se limpar a merda que já vem de antanho, do tempo de Lourenço Pinto e quejandos, em que se imolou Francisco Silva para branquear e tapar a desvergonha que já ia de Vila Real com Silvaninhos, até Santarém com Aldéres Dantes & Cª, passando por Coimbra, pelo Guímaro dos Quinhentinhos e que com a chafurdice que ainda hoje dita lei, ainda permite a esta abécola da cretinice rabiscar uns míseros gatafunhos, agora e por enquanto, salvaguardados do escrutínio implacável de RAP.

E por agora nem vou fazer alusão aos regimes políticos, dos quais esse Moreira das Vigílias tanto gosta de falar, e nomear aqui almas pardas do regime fascista, a norte, mais concretamente dirigentes do seu clube de coração, que conseguiram evitar como que por artes mágicas, isto é, pela trapaça, pela vigarice e com a cobertura desse mesmo regime, que o seu clube azul e bronco tivesse justamente baixado à divisão inferior.

Mas voltando ao artigo, dizer-vos que a prosa diarreica continuou, chegando ao cúmulo de referir que o grande El Mano prejudicou o seu querido grémio. Foi a cereja cega e pôdre que faltava no topo daquela rabiscada infecta e doentia.

Rui Moreira, um acérrimo militante anti-Benfiquista das cercanias fétidas de Contumil, confirma com tudo isto uma patologia andróide irreversível. Então esta última do El Mano, recordou-me a hilariante história daquele psicopata incurável, internado num conhecido hospício da sua cidade, que arrastando uma lata vazia de sardinhas de conserva pelo empedrado do átrio exterior do edifício, puxando-a por um fio de pesca azul, se virava para ela como se virasse para um cão e lhe dizia còmicamente, mas ao mesmo tempo, muito sério:

- Anda Bobby, anda! Já enganámos os da secretaria e os da enfermaria 4 e 6! Vá, vamos passar pela 2ª!

Rui Moreira, por mais que se esfalfe, nunca branqueará o passado, nem o presente do seu clube condenado por corrupção. Isso nunca!

Que fale das vigarices do seu grémio, a começar pela anedótica data da sua fundação. Que explique ao país porque é que a trupe do grémio da fruta & dos chocolatinhos foi condenada por corrupção, porque é que os juízes nos tribunais civis da sua terra e nos seus arrabaldes decidem sempre a favor do mesmo, ilibando-o sempre. Porque é que um juiz diz num tribunal, como testemunha, que dois mil e quinhentos euros para os árbitros é pouco para os subornar e não responde por isso. Porque é que as escutas telefónicas, todas verdadeiras e incontestadas, se constituem como meios de prova noutros processos e deixam de o ser quando entra em cena o clube da fruta e seus mentores, porque é que o Platini os apelidou de batoteiros, etc., etc., etc…

E será sempre dever dos Benfiquistas denunciarem estes atropelos e trapalhadas que habilidosamente muitos Ruis Moreiras e “Arrastadeiras de Leça”, com a conivência de directores pançudos e oportunistas, bolçam semanalmente num jornal que deveria primar por ser um órgão isento e verdadeiramente informativo, evitando uma degradação evidente, que se vem tornando cada vez maior ao longo destes últimos anos. (Grão Vasco)

Partilhe este artigo

Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post
Comentários
10 Comentários

Comentários Blogger

  1. Grandissimo Grão Vasco,
    Obrigado pelo excelente artigo.
    Felizmente, que os serpas desta vida, aqui nada decidem!

    Grande Abraço

    ResponderEliminar
  2. Muito bom e muito verdadeiro na correcta análise de como hoje funciona a comunicação social, e não só a desportiva, a corrupção geral está no seu melhor...

    ResponderEliminar
  3. Como sempre é um artigo diliciante que faz corar de inveja o sempre enigmático indígena da "trupe corrupta" que coitadinho não sabe o que diz e que não deixa de ser um vulgar comentador de serviço do sistema corrupto que foi implantado no futebol pelos seus amigos de sempre e aos quais ele presta total vassalagem,de forma indecente...

    Falar desse senhor é falar de alguém que não sabe estar na vida e no desporto com critérios de honestidade intelectual e de razoabilidade humana.É um indeflectível amigo do sistema que já começou outra vez a funcionar de uma forma avassaladora e escandalosa...

    Quem não se sente não é filho de boa gente e como benfiquista sério e que defende a verdade desportiva,os meus mais poderosos apupos para o Sr. Rui Moreira,um lacaio em todo o explendor do chefe-mor da corrupção no futebol!!!

    ResponderEliminar
  4. Obrigado Gão Vasco por defenderes dessa forma o Benfica...
    O nosso problema é que os nossos adeptos com acesso aos merdia, têm-no apenas por que são bem intencionados, pouco ou nada acutilantes usando o tempo de antena para criticas internas, outros apenas submissos, outros simples patetas "betinhos" os restantes muito dependentes do dinheirinho...
    Isso faz deles a gozação do pagode!
    Tinha-mos o RAP, resiste ainda a Leonor Pinhão (por quanto tempo?) e resiste o outro gato no rascorde!

    ResponderEliminar
  5. Muito bem Grão Vasco. Terá de ser sempre assim, a lembrar a essa cáfila o que eles são na realidade. Apesar da sua tentativa continua e desesperada de branqueamento.

    ResponderEliminar
  6. Um texto destes deveria ter lugar cativo no jornal "A Bola", não fosse esse jornal o pasquim bolorento que tanto desassossego anda a causar aos imortais C. Pinhão, Cândido de Oliveira, Ribeiro dos Reis e Vítor Santos

    ResponderEliminar
  7. Um texto destes JAMAIS deveria estar na actual A Bola. Deveria sim fazer parte do Jornal O Benfica, ou da Mística, ou ser dito na BenficaTV, ou em pleno estádio, no intervalo, ou antes de começar um jogo. Isso sim, é que o Benfica fazia bem!
    Grande Grão Vasco, é meu conterrâneo e basta!

    Abraço

    Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera e Boas Festas a todos!

    Bimbosfera.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. meus amigos, muito cuidado porque nem so no sul há benfiquistas! fico absolutamente incredulo com alguns dos vossos "dizeres". voces acham que portistas, nortenhos, portuenses, provincianos é tudo a mesma coisa e nao é. nao é tudo farinha do mesmo saco.

    sou do norte, nao sou provinciano!

    e nao associem o grande clube portugues, que é o benfica, a lisboa. o Benfica nao é lisboa, nem lisboa e o pais!

    ResponderEliminar
  9. Já agora deixo a minha deixa, passe o pleonasmo... Portuense é um habitante da cidade do Porto, pode ser ou não Portista, ou seja, adepto do Futebol Clube do Porto. O Portuense, ou Tripeiro, é a pessoa que mora lá no Porto e que pode ou não ser sequer adepto de futebol, seja Porto, Benfica, seja o que for, só que a colagem foi quase que imediata, Porto clube, Porto cidade...
    Se os do Beira-Mar fossem do «Aveiro», que não existe assim chamado, eram, provavelmente, à semelhança dos «tripeiros», «cagaréus»... Ehehehe!

    Abraço a todos!

    Márcio Guerra

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares

Pinto da Costa ARRASADO na RTP

Júlio Machado Vaz e Rui Oliveira e Costa respondem à CALÚNIA (aqui) de Pinto da Costa: "O Benfica era o clube do fascismo".

Veja, no final do video, a brutal resposta ao pirralho do Guedes: "Tens sorte porque ganhaste em liberdade, mas se tivesses perdido também tinhas sorte, sabes?!"

Para que conste: o SLBenfica teve na sua direcção homens como Cosme Damião, Félix Bermudes, Manuel da Conceição Afonso, João Tamagnini Barbosa e Borges Coutinho, notórios democratas, homens de esquerda, sindicalistas e activistas. Em 33 presidentes da Direcção, o Benfica só teve 1 elemento ligado ao Estado Novo: Mário Madeira, mas e só depois de este ter deixado o cargo de governador civil de Setúbal.

No FCPorto é uma chusma deles ligados ao Fascismo! Presidentes da Direcção do FCP e em promiscuidade com cargos como deputados da União Nacional: Urgel Horta, Cesário Bonito, Ângelo Veloso; e ministro de Instrução: Augusto Pires de Lima. Para lá de outros pertencentes ao Fascismo Regiona…

António Oliveira faz denúncias GRAVÍSSIMAS

"Mário Figueiredo foi o único que tentou quebrar o totalitarismo do poder" - referiuAntónio Oliveira este domingo no Trio de Ataque.

Afirmou que Luís Duque está a prazo como presidente da Liga... "ele foi juntar-se à "pandilha" que continua a governar totalitáriamente e a mandar no futebol português, não deixando que o futebol passe desta pasmaceira, desta agonia".. disse.

Oliveira acusa a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e várias empresas de, deliberadamente, terem boicotado os patrocínios à Liga de Mário Figueiredo.

O túnel da Madalena - O túnel da corrupção!

O túnel da “Madalena”, cujo início da construção data de meados da década de 80 do século passado, é uma cópia fiel, mas muito mais refinada, de um, bem mais antigo, o das Antas - esse túnel tenebroso onde se simulava a sodomização dos árbitros e que foi um altar de mêdo, boçalidade, coacção e violência.

Um túnel apetrechado com um sistema de fios condutores “com tecnologia de ponta”, onde todas as chamadas telefónicas partiam ou chegavam à cabine controleira de Giorgio.

Augusto Duarte e António Araújo, suspeitos aventureiros da noite, atravessaram-no, seguindo sempre, sempre em frente, e numa escuridão total, sem um único clarão, trouxeram do seu interior o envelope mágico, uma simples folha de papel que à luz do dia se transformou em cinco notas de quinhentos euros.

Jacinto Paixão, José Chilrito e Manuel Quadrado provaram no lusco-fusco desse túnel, os sabores de sexo oferecido, numa volúpia louca e corrupta de triste desfecho.

Martins dos Santos, ao palmilhá-lo com subserviência dur…

Calúnia é crime! Isto não pode passar em claro

Pinto da Costa na Afurada  11 Maio 2012"O Benfica era o clube do fascismo!"




A propaganda nazi sabia que “uma mentira repetida mil vezes se tornava verdade”. Era o que dizia o senhor Goebbels, o sinistro ministro da propaganda de Hitler. Pinto da Costa, há anos que lê da mesma cartilha e usa os mesmos métodos. Por exemplo, à força de repetir que o “seu” clube foi fundado em 1893, quando na verdade foi fundado apenas em 1906. (comprovar aqui - e no video)
O Sr. Pinto da Costa montou uma ficção e vive nela. Ao contrário dos rivais de Lisboa, que escolheram animais existentes para símbolo dos seus clubes (a águia e o leão), o Sr. Pinto da Costa inventou um animal mitológico e faz crer aos portistas que ele existe: um dragão! Ora os dragões têm referido repetidamente que o Benfica ganhava sempre no passado porque era “o clube do Regime”, e agora o seu Chefe chegou ao desplante de dizer que era “o clube do Fascismo”! A calúnia é crime, meus senhores, e o Benfica devia pôr um proc…

Amigos, é ainda PIOR !!

Afinal não era a troika, é o bando dos quatro: o cancro, o ministro, o corrupto e o pusilânime!

Agora sim, o quarteto está completo e não falta ninguém.. sim, nem a Judite de Sousa - aquela dos deveres conjugais, que privou o Seara (coitado) de assistir à final da Taça da Liga!. Mas que raio de benfiquista é este?!?
Adenda 1: Só falta mesmo o Pedro Proença! Adenda 2: Confirmação da noticia.

António-Pedro Vasconcelos: Rival ou inimigo?

Perante o silêncio cúmplice com que a Direcção do SCP e a maioria dos comentadores afectos ao clube de Alvalade acompanharam, nestes últimos anos, os castigos do processo do Apito Final e as absolvições do Apito Dourado, muitas vezes me tenho perguntado: será que já não há sportinguistas decentes, que não confundem o RIVAL com o INIMIGO?





Nestes últimos anos, depois de Dias da Cunha ter denunciado o SISTEMA e ter chamado os bois pelos nomes, a cumplicidade com o FCP por parte das direcções que se lhe seguiram (Filipe Soares Franco e, agora, Bettencourt) foi demasiado evidente: o inimigo era o Benfica e tudo o que servisse para atacar o Glorioso era bem-vindo, nem que para isso tivessem que pactuar com a batota e associar-se ao clube cujo presidente se gaba de ter deixado Bettencourt de mão estendida e lhes levou o Ruben Micael, o Moutinho e mesmo o treinador que eles julgavam que iam exibir este ano como um D. Sebastião: o Villas-Boas. E tudo o Porto levou!

A cumplicidade era tão gran…

Obra-prima de Talisca

Benfica 1-0 Rio Ave

Casagrande no programa de Jô Soares

"Quando cheguei à Europa, no dia em que me estreei pelo FC Porto, um jogador chegou ao pé de mim e avisou-me que ia jogar. Fiquei contente. Mas depois ele disse-me: ‘tens de passar ali atrás, que tem ali um negócio para usar’. Fui lá e usei. Usei umas quatro vezes. Era algo injetável no músculo. Dava uma disposição acima do normal".

Jô Soares: E controle anti-doping?
Casagrande: Não tinha!

Facebook

Etiquetas

Mostrar mais